PRO PIAUI 3
AUTO ESCOLA 2a
Seca

São 49 municípios em situação de emergência no Piauí por conta da seca

O Governo do Estado aguarda recursos do Governo Federal para executar ações da operação Carro Pipa.

24/10/2020 17h10Atualizado há 1 mês
Por: Redação
Fonte: Portal Cidade Verde

O Governo do Piauí decretou situação de emergência em mais sete municípios por conta da estiagem. O decreto, publicado na edição de ontem (22) do Diário Oficial do Estado, reconhece a situação nos municípios de Campo Grande do Piauí, Conceição do Canindé, Itainópolis, Isaias Coelho, Picos, São Lourenço do Piauí e Vera Mendes.

Com o novo decreto, de acordo com a Secretaria Estadual de Defesa Civil, agora são 49 municípios em situação de emergência no Piauí por conta da estiagem.

"Ficam acionados, em sua plenitude, os órgãos e entidades da Administração Pública, dentro dos respectivos campos de competências e os vinculados ao Sistema de Defesa Civil do Estado, para adoção das medidas necessárias à restauração da normalidade", diz o texto do decreto. 

Entre os critérios para a adoção da medida, está o acompanhamento do monitor das secas, desenvolvido pela Agência Nacional de Águas e que atesta os impactos da situação nas regiões brasileiras. "Também realizamos  o outro é o acompanhamento com a realidade da região, como as perdas de rebanho e da agricultura", explica  o secretário de Defesa Civil, Geraldo Magela. 

O Governo do Estado aguarda recursos do Governo Federal para executar ações da operação Carro Pipa. "Já solicitamos, mas não temos ainda. Estamos atendendo, à medida do possível, com recursos do próprio Estado", destaca. 

Além da questão da escassez de água, o secretário de Defesa Civil explica que os decretos de emergência trazem impactos econômicos aos municípios, entre eles a possibilidade de renegociação de dívidas de produtores rurais. 

"O pequeno agricultor que fez um empréstimo, mas perdeu toda a sua produção por conta da seca, tem condições especiais para renegociar sua dívida com o banco. O decreto de emergência é o reconhecimento da situação que já existe. São vários fatores, além dos governamentais", explica o secretário.