AUTO ESCOLA 1
Cuidado com Corona Virus
Conflito

Irã convocou representante brasileira após Itamaraty manifestar apoio aos EUA

“Apoio à luta contra o flagelo do terrorismo”

07/01/2020 09h30
Por: Redação
Fonte: Portal MSN

Depois de o governo brasileiro divulgar nota em “apoio à luta contra o flagelo do terrorismo” na sequência do ataque dos Estados Unidos no Iraque que matou o general iraniano Qassim Soleimani, Teerã convocou uma reunião com a representante brasileira no Irã, Maria Cristina Lopes.

Lopes foi chamada porque o embaixador do Brasil no Irã, Rodrigo Santos, está de férias.

Segundo o Itamaraty, a conversa –realizada no último domingo (5.jan.2020)– foi “cordial”. Além disso, o Brasil não foi o único país chamado pelo governo iraniano para ‘dar explicações’ sobre o apoio aos EUA.

“A conversa, cujo teor é reservado e não será comentado pelo Itamaraty, transcorreu com cordialidade, dentro da usual prática diplomática”, informou o Ministério das Relações Exteriores.

Entenda

Na última 6ª feira (3.jan.2020), o Itamaraty divulgou uma nota respaldando de maneira oblíqua a ofensiva norte-americana contra Soleimani. Em diversas passagens, o órgão diplomático criticou o que chamou de terrorismo e assim classificou o general e a Guarda Revolucionária do Irã.

O ataque

O general Qassim Soleimani foi morto na 5ª feira (2.jan) em 1 ataque com drones no aeroporto de Bagdá, capital do Iraque. Era o mais alto comandante do setor de inteligência e das forças de segurança do Irã. O bombardeio foi ordenado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O comandante era líder da poderosa Força Quds do Exército de Guardiães da Revolução Islâmica. Assim como vários membros de milícias iraquianas apoiadas por Teerã, foi morto quando 1 drone americano MQ-9 Reaper disparou mísseis contra 1 comboio que deixava o aeroporto.

“Por ordem do presidente, as Forças Armadas dos Estados Unidos tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal norte-americano no estrangeiro, matando Qassem Soleimani”, disse o Departamento de Defesa norte-americano, em comunicado divulgado na 5ª feira (2.jan.2020).

Acredita-se que Soleimani esteve por trás de praticamente todas as operações significativas da inteligência e das forças militares iranianas durante as duas últimas décadas. Sua morte não só é 1 duro golpe para o Irã como tem potencial para escalar a tensão no Oriente Médio.

O Departamento de Defesa acusa Soleimani de aprovar o ataque inédito à embaixada dos Estados Unidos em Bagdá no início desta semana. Assim, disseram os EUA, o ataque ao general “teve como objetivo dissuadir futuros planos de ataque iranianos”.